sábado, 1 de setembro de 2012

Carta aos vocacionados Gabrielinos

        Amigo, está sentindo no coração o desejo de entregar a Jesus todas as forças para levar ao mundo a mensagem do Evangelho? Assim como o apóstolo Paulo e o bem-aventurado Tiago Alberione, você está vendo a necessidade de ser sinal de Deus no mundo e fazer tudo o que estiver a seu alcance para que a Palavra de Deus chegue a mais pessoas? Então, seja bem vindo à caminhada do Instituto de vida secular consagrada São Gabriel Arcanjo!
        O padre Alberione pensou em nossa existência dentro da Família Paulina, não como vocação substitutiva nem menos importante do que são os consagrados religiosos e religiosas, mas como vocação específica, com desafios próprios e possibilidades imensas de apostolado: para que Jesus Mestre, Caminho, Verdade e Vida seja anunciado, com todos os meios, mas sobretudo, e principalmente, com o testemunho da nossa vida.

        Isto é denso: envolve não apenas a alegria do testemunho, mas também a consciência do martírio diário de nos percebermos dentro dos sistemas sociais, políticos, econômicos e culturais do mundo e de sofrermos diretamente, como qualquer outra pessoa, as injustiças sociais, com a missão de agir autenticamente como apóstolos. Por isso, nosso fundador advertiu que o primeiro e maior apostolado é a vida interior.
       Se observamos criteriosamente a nossa vocação e as realidades às quais somos enviados para cumprir essa missão, poderemos naturalmente compreender as palavras do Mestre Divino que nos adverte: “Eu sou a videira, vós os ramos: sem mim, nada podeis fazer!” Portanto, a vocação de um Gabrielino supõe muita espiritualidade e muito empenho para aceitar e vencer os próprios limites com sério compromisso de trabalhar sobre si mesmo, para que Jesus Cristo se forme em nós. É necessário, ainda, confiarmos muito em Maria Santíssima, Rainha dos Apóstolos.
        A palavra de padre Alberione nos diz: ”A vossa paróquia é o mundo!” Esse apelo nos alcança e nos dá a dimensão e a seriedade de nossa identidade na Igreja. Ser homens solteiros no coração da sociedade civil, com a missão de viver como mensageiros e promotores das realidades divinas: missão especial que requer grande confiança e constante esforço para correspondermos ao título de Gabrielinos, enviados de Deus para a tarefa de anunciá-lo, apresentando ao mundo uma forma diferente de assumir a vida. Comprometidos com o bem e solícitos em ajudar de maneira concreta a quantos de nós se aproximarem sedentos de Deus e da nossa generosidade.

                                                                              Anselmo, isga

Um comentário:

Carlos Eduardo Guedes Belchior disse...

Caro Anselmo, neste texto você sintetizou claramente a realidade da vida secular consagrada. Que esta consciência se difunda não apenas no meio da Família Paulina, mas em cada paróquia onde os gabrielinos - e vocacionados - estão presentes.
Fico contente por ver tão bem refletida esta missão que nos foi confiada: a de estar no mundo sem ser do mundo; servir no mundo, e não servir ao mundo.
Que sob o olhar de Maria Santíssima e com o ímpeto de São Paulo Apóstolo, possamos espalhar os ramos da Videira Verdadeira.
Carlos E G Belchior